Início > Outros de Ciclismo > Histórias da minha infância – Zé Poceiro

Histórias da minha infância – Zé Poceiro


Visão de dentro de um poço profundo de 50 m (Autor: Paulo Ciclista)

Esta é uma história da minha infância, sobre o Zé Poceiro, um perfurador de poços muito bom e famoso nas fazendas do interior de São Paulo.

Como fui me lembrar dele? Bem, quando ganhei minha primeira bicicleta aos seis anos de idade e ainda estava aprendendo a pedalar, usava os enormes morros de terra vermelha resultantes da perfuração do poço perto de casa. Descia esses morros no embalo, caindo os maiores tombos.

Na Fazenda moravam diversas famílias formando uma fila de casas com uma distância de um quarteirão entre elas. As casas se localizavam em região alta a alguns quilômetros dos rios, motivo pelo qual os lençóis freáticos ficavam a cerca de 50 metros da superfície. Aí é que entra a história do Zé Poceiro.

Zé Poceiro era um negro esbelto, forte, com aproximadamente trinta anos de idade, alegre, que ria alto. Trabalhava com dois ajudantes mas ele era o único a descer e escavar os poços. Os outros dois giravam as manivelas para trazer para fora a terra e jogar nesses tais morros onde descíamos de bicicleta e fazíamos pelotas de barro para atirar no estilingue.

Esses poços é que eram impressionantes. Na época atual dos poços artesianos, acho que pouca gente já viu um poço perfurado (poço caipira) de 50 metros de profundidade. É assim: logo que se chega na beirada e se tenta ver o fundo, tudo o que se vê é escuridão. Depois, à medida que os olhos vão se acostumando, consegue-se ver a água lá no fundo, um círculo minúsculo. Por simetria, pode-se concluir que a visão que Zé Poceiro tinha da superfície vendo lá de baixo era semelhante, veja a foto que fiz simulando em escala reduzida.

Zé Poceiro perfurou sozinho OITO poços na colônia para trazer água para todas as casas, poupando das pessoas o trabalho de ir buscar no distante rio. Fez um trabalho arriscado e claustrofóbico que pouca gente tinha a coragem e a capacidade de fazer.

Registro aqui a minha homenagem ao Zé Poceiro. Agradeço pela água e pelo morro de terra vermelha. Esteja feliz.

Um abraço.

Anúncios
Categorias:Outros de Ciclismo
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: